| Presidente Prudente/SP

Sem votos, Bugalho pede retirada de projeto sobre repasse à Prudenprev

ROGÉRIO MATIVE

Em 20/07/2020 às 20:51

Câmara Municipal sofre pressão do Sintrapp para que o projeto não seja aprovado

(Foto: Maycon Morano/AI Câmara)

Sem ter a garantia dos sete votos necessários, o prefeito Nelson Bugalho (PSDB) pediu a retirada do projeto de lei complementar que suspende os pagamentos das contribuições previdenciárias patronais devidas pelo município ao Sistema de Previdência Municipal (Prudenprev). A ideia é empurrar a dívida, que será gerada em seis meses, para 2021.

O assunto seria discutido pelos vereadores durante a sessão ordinária desta segunda-feira (20). Mas, a proposta foi adiada para a próxima semana após o líder do governo, José Geraldo de Souza (PTB) apresentar o pedido ao plenário.

Antes do adiamento, os parlamentares receberam a presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Presidente Prudente e Região (Sintrapp), Luciana Telles; e, em seguida, o secretário municipal de Administração, Alberico Bezerra de Lima.

Também estiveram presentes o secretário municipal de Finanças, José Luchetti, além do presidente da Prudenprev,  João Donizete Veloso dos Santos.

Qual é a proposta?

Segundo o projeto, o pagamento dos atrasados deve realizado já a partir de janeiro, em 60 vezes. Além dos valores represados, também será retornado o repasse mensal no início do próximo ano. A parte patronal é de 24,4% sobre o salário do servidor que é recolhido mensalmente à Prudenprev.

Para justificar suas pretensões, Bugalho baseia-se nos impactos causados pela pandemia do coronavírus. O argumento de Bugalho é o mesmo utilizado quando conseguiu autorização para remanejar o orçamento em mais 6%, o que garantiu a quitação da folha de pagamento de junho.

Porém, com uma ressalva: os recursos devem, obrigatoriamente, ser destinados à folha de pagamento dos servidores públicos municipais diretamente relacionados a ações de enfrentamento à covid-19 e à mitigação de seus efeitos financeiros. Ou seja, na prática, a medida não comtemplará todos os servidores municipais.

No total, caso seja aprovado pelos vereadores na próxima semana, o projeto garante R$ 12.966.648,94 no caixa da Prefeitura ao completar o período de seis meses, incluíndo o repasse referente ao 13º salário.

Sob pressão

A Câmara Municipal sofre pressão do Sintrapp para que o projeto não seja aprovado. A categoria vê riscos ao sistema previdenciário diante da crise financeira que vem aumentando na Prefeitura e provocar uma avalanche de dívidas para os próximos anos.

A proposta também será o último teste de Bugalho para saber qual o tamanho de sua base no Legislativo. Em jogo, está o apoio do MDB, com três votos, e visto como primordial para a aprovação da medida. Em campos opostos na corrida eleitoral, os partidos costuram acordos em votações no plenário.

Compartilhe
Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal Prudentino.

Fique tranquilo, seu email não será exibido no site.
Notícias Relacionadas

Telefone: 18-98122 7428

© Portal Prudentino - Todos os direitos reservados.